Mini imagine Harry Styles - My Guardian Angel - 1° capítulo.

quinta-feira, março 20, 2014 | | |

Branco. Era tudo que poderia ser visto da janela do meu apartamento em Sheffield, Inglaterra. Nevava Tanto que não se enxergava um palmo à frente de meu próprio nariz.
Lágrimas rolavam livres ao meu rosto, estou sozinha, não há vida. Não tinha palavras para explicar o que eu estava sentindo, talvez um furo tenha atravessado a imensidão do meu coração. Dias atrás dançávamos juntos, no ritmo da melodia, você beijava o topo de minha cabeça e tudo se resolvia, como mágica, como se, simplesmente, me completasse e se encaixasse perfeitamente, tenho esperanças de que volte à vida material e volte pra mim, Harry.
O vento batia em meu rosto dando um leve arrepio, fazendo com que ficasse cada vez mais frio. Tanta serenidade e brutalidade que espantava os sentidos do corpo, os hormônios viriam à flor da pele e percebo que há algo errado, algo que está no seu devido lugar. Talvez o copo da pia, ou o retrato do meu aniversário de 15 anos, ou até, então, meu subconsciente. O que levamos depois de deixarmos a terra? Talvez nada, talvez tudo, e se existisse uma vida do além, que você acredita que realmente exista? E se você sutilmente me enganasse? E se você me fizesse feliz? Eu perguntei a mim mesma e me lembrava de quando isso era capaz. Você me disse que um segundo faria diferença e, realmente, um segundo fez diferença, o segundo do terrível e deprimente acidente.
O silêncio atormenta cada vez mais àquela sala. Ar... Necessito de ar, dizer essas palavras está me sufocando. Sinto cada vez mais coisas apodrecendo em mim e me sinto suja.
Escrever ajuda, e é por isso que eu vou contar minha história. Eu me chamo (Seunome), sou da Ucrânia. Tenho 19 anos e moro atualmente em Sheffield. Porque me mudei? O desaparecimento repentino do meu pai, e pela morte da minha mãe, só isso. Aquele lugar me assombra. Minha mãe morreu esfaqueada e sufocada na minha frente, O que eu sinto? Dor. Depois que minha mãe morreu, descobri, finalmente, que estou sozinha e vou continuar e vou ter que me acostumar com a situação em que eu estava vivendo, solidão. Permaneço sozinha na vida, quando de repente o conheci...:
Dois meses atrás eu estava numa lanchonete tomando meu eventual café e pensando na minha vida dali a uns tempos, sinto uma mão quente em meu ombro descoberto por conta da fina camiseta:

-Hey! Sua bolsa vai cair. – Disse ele com seu sorriso que por sinal era espetacular.
-Hm, obrigada. – Sorri também, e peguei minha bolsa – Quer se sentar?
-Pode ser. – Falou expressando alegria. – Você não é daqui não, né?
-Não, sou da Ucrânia, Mas moro aqui. Ah, prazer, meu nome é (Seunome), qual é seu nome?
-Ah, meu nome é Harry, mas pode me chamar de Hazza. A gente podia sair um dia desses, não acha? Amanhã pode ser? Onze horas.
-Porque tão cedo?
-Pra gente aproveitar o dia babe.
-Hm, claro.

Fui pra casa e deitei na minha pequena e melancólica cama de solteiro e entrei em devaneio profundo de acordo com meu estado, o tempo lá fora era quente, e as paredes de gesso esquentavam a temperatura à ponto de suar. Eu não posso me envolver com ninguém por mais encantador que seja simplesmente não quero. Entrei em um estado de choque ao começar a lembrar do meu passado lastimoso que eu presenciei. O susto, por incrível que pareça me fez dormir.
Na manhã seguinte abri meus olhos e pisquei duas vezes e tive uma enorme vontade de levantar, uma esperança de viver. Realizei minha higiene matinal e desci a enorme escadaria de meu apartamento para tomar meu eventual café. Quando finalizei o mesmo subi novamente e me arrumei para sair afinal já eram dez e meia e não queria me atrasar. Bom, provavelmente ele viria me buscar então o esperei sentada em meu sofá de couro da cor grená, peguei o controle remoto, que se encontrava no chão, e liguei a televisão, iniciando no maldito canal à cabo, Travel and Living Home, não prestei muita atenção, mas logo o interfone toca. Provavelmente era Ele então desci para atendê-lo. Ele estava trajado com uma camisa polo semelhante à cor do meu sofá, uma calça jeans skinny e tênis social. Extrema e exageradamente lindo. Enquanto eu estava com uma blusa qualquer encontrada na grande gaveta depravada no armário e um short desfiado em sua base onde cobre a metade de minha coxa e um all-star desenhado com bolinhas e escrito a frase tão conhecida e clichê “I Love You”. Fomos andando até a pequena pracinha com duas barraquinhas de sorvete e churros. Conversamos como velhos amigos que tem intimidade há anos. Ao meio dia resolvemos almoçar então fomos ao restaurante mais próximo o possível. Fizemos o necessário e fomos dar uma volta de bicicleta, obviamente alugadas. Demos umas voltas nos quarteirões mais próximos e voltamos ao ponto de partida para devolvermos as bicicletas.
  Longos foram os dias que eu e Harry passeamos, e cada vez mais eu me apegava a ele até que um dia eu concluí que não conseguia mais viver sem sua presença e sem seus abraços e seus carinhos... Alguns meses depois eu e Harry éramos inseparáveis, era Harry para cá, (Seunome) pra lá, muita confusão. Nesse meio termo, Harry comprou um carro, começamos a passear nesse o tempo todo, até o dia da festa da cidade, e como nós morávamos no interior de Sheffield era bem longe. Harry pegou seu carro e passou na minha casa para irmos à comemoração. Estávamos na via 157 quando um caminhão descontrolado carregando vergalhões soltou sua carga e a parte do motorista capotou. Saí rapidamente do carro e tentei puxar Harry mas sua perna prendeu entre o volante e o chão, a carga do caminhão virou sua direção e foi na de onde a cabine do motorista foi. No que a carga virou um vergalhão foi lançado como um caçador atirando uma flecha em sua caça, ele atravessou o vidro do Civic prateado e atingiu Harry como uma bala em seu peito esquerdo, fechei meus olhos e quando abri novamente vi a sangue, o sangue que eu tinha que derramar. O sangue que tinha que ser meu. Vi médicos, policiais, bombeiros, operadores do IML, e um breu. Acordei numa sala branca, cortinas de seda azuis celeste, escutei um barulho irritante como um “beep”. Logo vi um homem trajado de verde-água, aparentava ser novo, mas experiente para ser médico
 Ouvi o homem dizer algumas coisas, respondi que sim esperando que aquilo não fosse uma pergunta, logo ele chamou alguém. Outro operante vestido da mesma cor que o descrito anterior, com uma cadeira de rodas na mão. Me vi sendo botada no instrumento e sendo empurrada por um corredor branco cheio de quadros até uma porta dupla com barras de ferro e duas janelinhas de vidro, para permitir a entrada da claridade, vi a porta sendo aberta e eu saindo do lugar tão branco. Fiquei de pé e estava consciente novamente, olhei para trás e vi o letreiro gigante indicando: “Hospital Municipal Sarah Cohan”, dei as costas e fui para o meu apartamento. Entrando lá vi branco. Era tudo que poderia ser visto da janela do meu apartamento em Sheffield, Inglaterra. Nevava Tanto que não se enxergava um palmo à frente de meu próprio nariz.
                                                   ~..........~..........~..........~

 Princesaaaas <3 Eu achei que não iria dar para postar hoje o 1° capítulo da "My Guardian Angel" mais deeeeeeeeeu *-----------* Ouush, tô muito alegre :3 Então, é só isso minhas princesas, comentem, quero a opinião de vocês, o que seria do escritor sem os críticos? Então, continuo com 10 comentários, vou conseguir ? Hahaha, só depende de vocês! Beijos :*

~Laryê

17 comentários:

  1. Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah, que lindo, que perfeitoooooo *oooo* ~ tá parei ~ mas eu simplesmente ameei, vc escreve divinamente beem *------* continua loogo, to mto ansiosa pro próximo <3

    ResponderExcluir
  2. Ai meu Deus q perfeito! Vc escreve melhor do q eu pensei :')
    Continuaaaaa <3333

    ResponderExcluir
  3. Continuaaa tá perfo

    ResponderExcluir
  4. Ai que perfeito você escreve muito bem :))
    Continuaa por favor ♥
    By:Carmen :3

    ResponderExcluir
  5. continua!!!!!!! ta perfect

    ResponderExcluir
  6. Continua Ta Muito Show Perfeito <3 Mais Acho Que Você Escreve Um Pouco Detalhado, Mais Ta Perfeito <3

    ResponderExcluir
  7. Continuaaaa!! Tá muito legal! Você detalha as coisas,senti o sofrimento dela,como se fosse o meu. Perder os pais,viver sozinha e quando acha que tem uma salvação acontesse uma acidente. Chorei um pouco ~ não é exagero eu realmente chorei um pouco~.
    Se poder me responder, o Harry morreu?? Eu acho que já sei a resposta mas sómpara comprovar mesmo!!
    Malikisses

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você saberá disso no próximo capítulo gatinha :)
      Beijos :* :*
      ~Laryê

      Excluir
  8. Suas fics são p-e-r-f-e-i-t-a-s <3 !!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. CARA AMO DEMAIS SUAS FICS...TAMBEM TENHO UMA BLOGGER SE VOOCS QUISEREM VER E Imagine Directioner&belieber

    ResponderExcluir
  10. Nossaaaaaaaa q pft adorei sabia q eu inha me apaixonar pelas suas fan fics e imagines!! bjss pequenas e princesas da 1D

    ResponderExcluir

onselectstart='return false'