When you’re Around 5ªTemporada

domingo, julho 17, 2016 | | |

Capítulo Treze - Lies 

“Quando você está por perto, quero mudar de ideia"
“Mas me lembro de você e sei que estamos mentindo”



LIAM PAYNE P.O.V’S

  A notícia me deixou completamente surpreso ao ponto de não conseguir esboçar qualquer tipo de reação, minhas pernas tremiam como um garotinho que aprontava algo, meu coração batia descompassado e um nó ameaçou se formar em minha garganta enquanto tentava assimilar o que o médico havia dito, até pensei que podia ter entendido errado mais não, para minha felicidade, não.
-Nós vamos ser pais? –perguntei olhando em seus olhos, sentindo a insistentes lágrimas se formarem no canto dos meus olhos.
-Vamos! –emocionada ela confirmou com um de seus mais belos sorrisos e as lágrimas em seu rosto faziam-me ter certeza que ela estava sentindo a mesma felicidade que eu.
 Um pouco desajeitado a envolvi em meus braços dando início a um beijo terno e lento, passei uma das mãos sobre o seu rosto secando as lágrimas que o cobriam, seus lábios se movimentavam delicadamente contra os meus, demonstrando o quanto aquele gesto significava para ambos era incrível pensar o quanto tudo que passamos juntos e separados nos tornou fortes e dignos de momentos felizes como este.

  Eu tenho medo é claro! Acho que a pergunta certa é quem não teria? Ainda mais na nossa idade, eu sabia o que estava por vir à falta de maturidade e de experiência me assustavam mais a certeza de que estou disposto a enfrentar tudo pela a família que havia acabado de conquistar me confortava.

  Pouco a pouco nossos lábios se afastaram Seu Nome olhou no fundo dos meus olhos e sorriu tentando esconder atrás da felicidade a pontinha de preocupação que sentia, eu já podia imaginava o que ela queria dizer.
-Eu estou com medo! –disse depois de alguns segundos de silêncio.
-Eu sei! –sorri sem jeito. –Eu também estou!
-Não me entenda mal, por favor! Eu estou feliz é claro que estou só que tudo é tão... –desviou seu olhar do meu na tentativa de buscar a palavra certa para o que queria dizer.
-Confuso? –perguntei com uma sobrancelha arqueada.
-Sim! –voltou a me olhar soltado um longo suspiro. –Apesar de todas as especulações para a mídia nosso relacionamento nunca passou de um boato e isso já fazia suas fãs me odiarem! Imagina agora do nada oficializamos o nosso namoro e em seguida apareço grávida, elas vão querer me matar! –me encarou visivelmente preocupada. –Sei que somos novos para o que está por vir mais não deixo de estar feliz por viver isso com você, só peço que entenda que estou insegura com o que pode acontecer! –sorriu cabisbaixo, foi quando percebi que estávamos sozinhos no quarto.
-Hey! –coloquei a mão sobre o seu queixo fazendo com que voltasse a me olhar. –Eu lhe entendo! Apesar da história louca que os agentes da banda inventaram para a mídia sobre o que aconteceu, Seu nome não resta dúvidas para ninguém que estamos juntos as pessoas só querem uma confirmação!
-Você acha isso mesmo? –engoliu seco.
-Eu tenho certeza! –pus minhas mãos sobre o seu rosto o acariciando.


-Ou você acha que uma simples “amiga” iria arriscar a sua vida desesperadamente para encontrar o cativeiro do seu amigo? –arqueei uma das sobrancelhas sorrindo.
-Talvez se ele fosse o melhor amigo dela! –respondeu com um ar de brincadeira.
-E ele é? –perguntei desconfiado.
-Ele não é só isso! –selou seus lábios nos meus parecendo estar mais tranquila.
-O fato é que agora eu preciso saber se você está disposta a enfrentar o que pode acontecer, digo enfrentar mentiras, insinuações, ódio sem motivo, especulações e tudo que vem no pacote da fama do seu namorado? Tenho certeza que tem gente que não vai gostar de você só pelo fato de estar comigo, mas também sei que a maioria das minhas fãs vai amar você só por me fazer feliz! –sorri olhando em seus olhos antes de prosseguir. -A pergunta agora Seu Nome é você enfrentaria isso por mim? –engoli seco e Seu nome fez uma pausa de poucos segundos antes de responder.
-Liam você enfrentou a morte por mim, você colocou a sua vida em risco por mim! Apesar de me assustar um pouco, você realmente acha que eu não seria capaz de enfrentar algo tão simples quanto um bando de fãs revoltadas e uma imprensa mentirosa, por você? –meu coração acelerou. –Quero que saiba que sou capaz de enfrentar tudo desde que você esteja ao meu lado! –sorriu e eu a beijei novamente.
-Eu amo você! –disse entre o beijo o que fez Seu Nome rir.
-Eu também amo você! –sorriu pondo sua mão livre de ferimentos sobre o meu pescoço fazendo com que eu me aproximasse mais dela, sua língua passou a brincar com em meus lábios pedindo passagem a qual cedi pouco a pouco, nossas línguas então passaram a se encontrar em uma sintonia quase perfeita, somente interrompida algumas vezes pelo desconforto causado pelos nossos ferimentos.
-Ain! –Seu nome gemeu de dor, interrompendo nosso beijo depois de poucos segundos. –Ainda vou ter que me acostumar com meu estado físico atual! –fez uma careta engraçada de dor.
-Eu também! –sorri fazendo careta. –Apesar da ajuda dos medicamentos ainda sinto muita dor em minhas costelas, ontem pensei que ia morrer durante a fisioterapia.
-Não me assuste! –arqueou a sobrancelha desconfiada havia me esquecido que ela era a próxima vítima da fisioterapia.
-Pensa que você vai sair melhor depois de cada sessão! –sorri olhando em seus olhos. –Isso me incentiva! –confirmei com a cabeça.
-Está bem! –confirmou desviando o olhar. –Onde será que os meninos foram? –perguntou analisando o quarto. –Nem percebi quando eles sairão!
-Acho que eles queriam nos deixar a sós, por que também não percebi quando eles saíram! –dei os ombros. –Bom eu vou ir comprar um café e já aproveito para ver onde eles se meteram!  –me levantei da cama todo desengonçado e em seguida peguei minhas muletas.
-Quero só ver como você vai trazer o café! –sorriu sem mostrar os dentes.
-É claro que eu vou achar um dos meus escravos no caminho! –fingi jogar o cabelo e Seu nome soltou uma gargalhada.
-Não demora! –disse em meio riso.
-Eu nunca demoro! –sorri caminhando até a porta.
  
  Ao sair no corredor foi inevitável não relembrar tudo que aconteceu, algo que para mim era tão impossível se tornou real eu tinha o amor da garota que eu sonhava conquistar e o mais surreal ainda que dois anos depois vá construir uma família com ela, eu havia conquistado e recuperado o que me faltava, recuperado a amizade do meu melhor amigo e conquistado a felicidade que eu tanto desejava. O fato de tudo estar dando certo me deixava ainda mais contente, não há o que eu queira mais do que tudo continue exatamente assim e não há nada que me assuste mais do que a possibilidade de tudo isso não passar de um sonho.
 Passei a caminhar devagar pelo corretor, minhas costelas doíam muito ainda e cada músculo do meu corpo parecia se contrair, a doutora Giovanna disse que essa dor era necessária para fortalecer meus músculos e para minha lesão nas costelas ficar cem por cento. O difícil é se acostumar com essas limitações mesmo temporárias.
  Chegando ao fim do corredor minha atenção foi dispersa por uma discussão e ainda longe percebi que as vozes eram familiares, ao me aproximar comecei a ouvir com mais clareza.
“-Do que você está falando Harry? –Zayn perguntou parecendo não entender.
-Eu não sou idiota Malik! –disse com os dentes cerrados. –Eu não me esqueci do que aconteceu na casa de praia! –o que aconteceu na praia? Que diabos Harry está falando?
-EU JÁ LHE FALEI QUE NÃO ACONTECEU NADA DE MAIS! –Zayn esbravejou e meu coração começou a acelerar.
-EU NÃO VOU DEIXAR QUE FAÇAM O LIAM DE IDIOTA! –Harry retrucou visivelmente transtornado; Que merda está acontecendo? Pensei ao me aproximar ainda mais de onde eles estavam. - FALA A VERDADE! ESSE FILHO QUE A SEU NOME ESPERA É SEU?
-O QUÊ? –Zayn o encarou incrédulo.”
  Meu mundo começou a despencar sobre minha cabeça, não podia ser verdade de novo não, todas as certezas que eu tinha começaram a se quebrar diante de mim.
-HÁ QUANTO TEMPO VOCÊS ESTÃO JUNTOS? HÁ QUANTO TEMPO VOCÊS SE ENCONTRAM ESCONDIDOS? –Harry gritava transtornado enquanto eu não conseguia ao menos reagir.
-HARRY CALA A BOCA! –Zayn esbravejou enfurecido. –EU E A SEU NOME NÃO TEMOS NADA! ISSO AINDA NÃO FICOU CLARO?
-E O QUE EU VI NA PRAIA? AQUILO NÃO ME PARECEU SER NADA! –Harry cerrou os punhos e eu senti meu corpo estremecer, sentia meu sangue fervilhar dentro de mim. Isso não podia ser verdade!

-AQUILO FOI UM ERRO HARRY NUNCA DEVIA TER ACONTECIDO! –passou a mão com força sobre seus cabelos visivelmente arrependido.

-O QUE NÃO DEVIA TER ACONTECIDO? –minha voz saiu trêmula, meu corpo tremia por inteiro, estava tentando me controlar mais eu parecia uma bomba prestes a explodir.
-LIAM! –Zayn me encarou surpreso. –Por favor, acredite! Não é nada do que você está pensando!
-NUNCA É! –explodi deixando toda raiva que eu sentia sair. –EU SOU UM IDIOTA POR TER ACREDITADO EM VOCÊS POR TODO ESSE TEMPO!-gritei enfurecido. –O QUÊ VOCÊS QUERIAM? RIR DA MINHA CARA? FAZEREM-ME DE OTÁRIO?
-LIAM, CALMA! NÃO É ISSO QUE VOCÊ ESTÁ PENSANDO! – tentou me acalmar, mas isso serviu para me encher ainda mais de raiva. ERA MUITA CARA DE PAU!
- EU ARRISQUEI MINHA VIDA ENQUANTO VOCÊS DOIS ME TRAIAM! –esbravejei. –EU PASSEI PELO UM INFERNO ENQUANTO VOCÊS SE DIVERTIAM RINDO DA MINHA CARA! –gritei sentindo as lágrimas começarem a rolar sobre meu rosto. –EU TENHO NOJO DE VOCÊS! –cuspi as palavras com desprezo e dei as costas eu não aguentava ficar mais nem um minuto ali.

ZAYN MALIK P.O.V.S

 O meu coração parou por um instante quando ouvi sua voz ecoar no corredor anunciando que um dos meus maiores receios acabava de se concretizar, Liam havia ouvido toda nossa conversa, havia ouvido toda a desconfiança e insinuação absurda de Harry e o pior de tudo havia acreditado. Nervoso, falei a primeira coisa que veio em minha cabeça, falei o que qualquer criminoso fala na cena do crime e é óbvio que Liam nem me ouviu.
-SATISFEITO HARRY? –esbravejei vendo Liam dar as costas. –VÊ SE COLOCA UMA COISA NA SUA CABEÇA! EU E A SEU NOME NUNCA DORMIMOS JUNTOS!
-ASSIM COMO MINHA MÃE É VIRGEM ATÉ HOJE! –respondeu com deboche.
-CALA A PORRA DA SUA BOCA! –o empurrei soltando toda a fúria que tinha em mim e Harry se assustou. –É CLARO QUE EU JÁ TENTEI, MAS ELA NUNCA QUIS POR QUE O AMA DESDE O PRINCÍPIO!
-Senhores se contenham aqui é um hospital! – um segurança alto chamou nossa atenção e Harry assentiu com a cabeça.
-Então o que aconteceu na praia? –cruzou os braços pela primeira vez disposto a me ouvir.
-Aquilo só foi um beijo que a Seu Nome negou! –o retruquei. –Eu não sei o que se passa pela a sua cabeça, não ficou claro ainda que aqueles dois são completamente loucos um pelo o outro? –engoli seco. –Porra Harry! Olha que os dois acabaram de passar, cara eles passaram um inferno um pelo outro e depois de tudo que aconteceu você tem dúvida de que esse filho é do Liam? Francamente Harry! –engoli seco e sai andado depressa pelo corredor.
 -Hey, aonde você vai? –Harry perguntou tentando assimilar o que eu havia falado.
-Vou falar com o Liam! E consertar a merda que você fez! –resmunguei alto o suficiente para que ele ouvisse.

  Em disparada saí pelo corredor tentando alcançar Liam, o corredor era extenso e chegar ao seu fim parecia um desafio para o meu estado físico, com algum custo cheguei aos elevadores no fim do corredor e para minha sorte os três estavam ocupados, só me restada à escada.
  Durante a descida foi inevitável colocar a mão abaixo do peito, o desconforto era grande, tanto que sentia pontadas na região do tórax que me impossibilitavam de andar mais depressa. Ao chegar ao andar térreo vasculhei todo o local com o olhar, mas não havia nem sinal do Liam. Consegui passar pela a recepção despercebido, pois além de recepcionistas, médicos e pacientes havia um grupo de jornalistas inconvenientes a procura de um furo de reportagem, agradeci mentalmente por ter vindo de boné e estar com uma macha roxa no lado esquerdo do rosto.
  Saí do Hospital e caminhei até o estacionamento em uma última tentativa de encontra-lo, olhei em volta e não consegui avistar nada além de carros, já estava perdendo as esperanças quando eu avistei atrás de uma coluna de carros ele estava escorado em uma ranger rover com suas mãos sobre o rosto. Entre os carros tratei de me aproximar e depois de poucos segundos parei diante de Liam.

-Liam, por favor, me escuta! –minha voz saiu trêmula e Liam permaneceu imóvel. –O que aconteceu na casa de praia não significa nada! A Seu Nome te ama e esse filho que ela espera é seu! –engoli seco enquanto Liam permanecia calado. –O que aconteceu foi um erro eu... eu não devia... –minha voz falhou e pela primeira vez Liam voltou seu olhar ao meu e por fim pude notar seus olhos vermelhos e completamente inchados de tanto chorar. Ele me encarou por alguns instantes até se virar para a porta do carro tentando a abri-la.
-É isso você não vai falar nada? –dei os ombros, incrédulo. –Você vai deixar a mãe de seu filho desamparada em um quarto de hospital sem ao menos dar a chance dela se defender? –ele não respondeu apenas abriu a porta do carro. –Liam não comete o mesmo erro que eu! –insisti.
-Cometer o mesmo que você? –perguntou em tom deboche. –Eu não dormi com a sua namorada enquanto vocês estavam juntos! –respondeu com sarcasmo.
-DEIXA DE SER IMBECIL LIAM! –esbravejei. –CARAMBA, VOCÊ NÃO PRECISA ACREDITAR EM MIM, MAS NÃO DÚVIDE DO QUE ELA SENTE POR VOCÊ! A SEU NOME NUNCA TE TRAIRIA COMIGO! –engoli seco.
-Ela nunca me trairia com você? –sua voz falhou, ele estava contendo o choro e isso foi pior que um tiro para mim. –Engraçado, já foi à segunda vez! –engoliu seco. -Que eu sei...–completou e se virou em direção a porta do carro. –Imbecil eu fui quando acreditei que vocês dois não tinham mais nada! –passou uma das mãos com força sobre os olhos.
-MAS NÓS NÃO TEMOS NADA! –o retruquei bravo, não era possível que ele não enxergasse o óbvio.
-Claro que não! –sorriu em deboche e em segundos depois a expressão em seu rosto se enrijeceu. –Então por que você atrás da gente?
-Eu fui por que vocês corriam perigo! –falei o óbvio. –Eu fiz isso por você e também faria por qualquer um dos meninos! –complementei não entendo o que ele queria dizer.
-Conta outra Zayn! –resmungou.
-O quê? –o encarei incrédulo.
-Não precisa mais tentar me enganar, eu sei que você que o único motivo de você ter parado naquele casebre foi a Seu Nome! O seu azar foi eu ter sobrevivido! –engoliu seco e me estômago revirou.
-Como você tem coragem de dizer isso? –perguntei boquiaberto. –Eu entendo que você está com raiva e não queira enxergar o que está na sua cara! –engoli seco tentando controlar a raiva que sentia. –Mais eu não admito que você pense que eu desejaria de alguma forma a sua morte, Liam! –o encarei horrorizado e ofendido com suas palavras.
-E desde quando você se importa com que eu penso? Quando você deitou com a minha namorada não se importou nem um pouco com que eu penso!–retrucou sem demonstrar um pingo de remorso pelo que disse. –Parabéns você consegui tudo o que queria literalmente me tirou da jogada! –deu as costas abrindo a porta do carro. –Vê se aproveita a sua família! –cuspiu as palavras com tanto ódio e rancor que fiquei estático, eu não sabia o que lhe responder. Liam estava convencido de que havia sido traído e eu não fazia a menor ideia de como provar o contrário, parado observei o carro se afastar.
-Eu não posso deixar que isso fique assim! –pensei em voz alta enquanto partia em direção ao meu carro, eu faria Liam me ouvir.

  Depois de ultrapassar algumas fileiras de carros no estacionamento, finalmente encontrei o meu, entrei no mesmo meio desengonçado e com dor logo dando um jeito de sair em disparada atrás de Liam, que a essa altura já tinha tomado uma boa distância de mim. Após sair do estacionamento, acelerei o máximo que pude na avenida mais movimentada da cidade, eu sabia que era loucura mais isso não era questão no momento.
  Alguns minutos depois, notei que me aproximava do carro de Liam com uma rapidez impressionante e na minha cabeça só se passava uma coisa, eu precisava fazer Liam acreditar em mim, acelerei novamente vendo o carro de Liam ficar mais próximo, quando o inesperado aconteceu.
  Uma garota distraída com seus fones de ouvido iniciou a travessia da rua sem olhar para os lados e eu estava muito rápido para tentar parar, buzinei tentando chamar sua atenção, mas foi em vão.
-Droga! –assustado pisei no freio o mais rápido que pude, rezando que o carro parasse a tempo, mas só houve tempo de ver olhar assustado da garota ao perceber o carro, seguido do estrondo contra o capô antes de o carro finalmente parar.


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

5 comentários:

onselectstart='return false'